Monark rosa, a Brisa

“Oi, estou procurando alguém para restaurar minha bike e indicaram você”.

Era uma entrada tipo essa, o email da Mari. No meio da resposta uma pulga tentava me dizer algo, quando chegou a mensagem no Facebook: “aahahhaahaha, acabei de te escrever um email! Não sabia que era você!”

Velha conhecida do mundo das revistas, a Mari estava de volta do Rio de Janeiro e queria voltar a usar sua bicicleta da adolescência. A maresia deu aquela judiada na carcaça da velha Monark que ela tinha. Havia anos que não nos víamos ou falávamos.

brisa_antDep_0

Monark Brisa reformada e restaurada. Pintura nova e peças originais. Foto de Raquel Espirito Santo

A ideia era simples, recuperar tudo o que fosse possível e renovar a pintura. Todas as peças originais deveriam ser recuperadas. Como ela estava inteira, o start do projeto foi tranquilo.

Infelizmente o banco charmoso não tem mais condições de uso. Usei conduítes brancos, um detalhe que faz diferença para compensar. Também instalei um pedal antigo que tinha guardado e cestinha nova. A antiga se perdeu pela vida.

Mais uma vez o Caetano Calomino batizou a menina. Pegamos carona no nome original, tão sugestivo para a situação.

Brisa vai, brisa vem, o acaso nos reuniu de um jeito tão especial. Recuperei um brinquedo de criança e reencontrei uma antiga e querida amiga. Que bom, que os ventos fazem curva.

 

brisa_antDep_5

A Brisa de frente.

brisa_antDep_1

I love my bike.

brisa_antDep_2

O quadro judiado ganhou nova vida longa com o rosa claro. O lettering de Caetano Calomino abençoa a Mari e sua bike.

brisa_antDep_7

Restauro + reforma + customização.